A população mundial mais que quadruplicou nos últimos 60 anos e recentemente atingiu 4,4 bilhões, sem sinais de desaceleração. Portanto, sem surpresa, as cidades são responsáveis ​​por cerca de 75% das emissões globais de carbono, principalmente devido às intensas necessidades de edifícios e transporte.

Por outro lado, as cidades também foram centros de comércio, inovação e expansão tecnológica ao longo da história. Assim, embora sejam contribuintes fundamentais para a crise climática, soluções sustentáveis ​​e estratégias de descarbonização também começaram a surgir.

Recentemente, 596 cidades no mundo prometeram tomar medidas para reduzir as emissões. De acordo com a organização sem fins lucrativos Disclose Insight Action, em 2020, 88 cidades entraram na sua “lista A” devido aos seus esforços para alcançar a neutralidade de carbono.

As quatro principais cidades a seguir, situadas em quatro continentes diferentes e cada uma lidando com um conjunto único de desafios climáticos, buscam a neutralidade de carbono. Alcançar a neutralidade de carbono significaria que as cidades teriam um equilíbrio entre a emissão e a absorção de carbono da atmosfera em sumidouros de carbono.

Londres: (Pop: 8.9 milhões)

Londres, a maior cidade da Europa Ocidental, já foi chamada de “The Big Smoke” devido à sua notória poluição após a revolução industrial.

Em 2021, a capital do Reino Unido se estabeleceu como líder nos esforços para reduzir as emissões de carbono. O ambicioso prefeito Sadiq Khan trouxe a meta da cidade se tornar neutra em carbono até 2050.

A Ultra-low Emission Zone (Ulez) estabelecida no centro de Londres está se expandindo lentamente, com outras cidades britânicas como Birmingham e Manchester que seguem a mesma estratégia.

Cidade do Cabo (Pop: 4.7 milhões)

A combinação de um clima seco, rápida urbanização e chuvas fracas trouxe uma grave crise de escassez de água para a Cidade do Cabo em 2018, despertando muitos de seus residentes para a urgência da mudança climática.

Consequentemente, a cidade sul-africana tem se esforçado para atingir a neutralidade de carbono até 2050 por meio de iniciativas em transporte, energia sustentável e regulamentações na construção.

São Francisco (4.7 milhões)

Nos últimos anos, São Francisco emergiu como uma cidade modelo na América do Norte graças ao seu compromisso de eliminar sua emissão de carbono e aos esforços para fornecer aos seus residentes apenas energia renovável.

O local do nascimento do Dia da Terra já está à frente de sua meta de neutralidade de carbono até 2050. Em 2021, o Departamento de Meio Ambiente de São Francisco revelou que a cidade havia reduzido suas emissões 41% abaixo dos níveis de 1990, bem à frente de uma meta de reduzir as emissões em 40% até 2025.

Hong Kong (Pop: 7.5 milhões)

Está bem documentado que algumas das piores vítimas da mudança climática podem ser as nações insulares, e Hong Kong não é exceção. A cidade-nação já enfrenta condições climáticas extremas e desastres naturais.

Assim, em sua tentativa de se tornar neutro para o clima até 2050, Hong Kong planeja uma estratégia para descarbonizar seu transporte público, o setor de construção e fornecer energia limpa para a ilha.

Neutralidade do carbono até 2050: a missão mais urgente do mundo

António Guterres, o Secretário-Geral das Nações Unidas descreveu a missão de se tornar neutro em carbono até 2050 como “a mais urgente do mundo”.

No entanto, seguindo esses exemplos de sucesso no caminho certo com seus objetivos, não há dúvida de que mais cidades ao redor do mundo estarão se alinhando com essa missão.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *