Durante a maior parte de nossa história, os assentamentos humanos viveram em ambientes rurais de baixa densidade. No entanto, 2007 foi o ano em que a população urbana superou pela primeira vez a rural – e a urbanização do mundo continua em ritmo vertiginoso.

Atualmente, mais de 4,3 bilhões de pessoas vivem em áreas urbanas. Devido à urbanização em curso e ao boom populacional global, os números estão acelerando: até 2050, sete em cada 10 pessoas da população prevista de 10 bilhões viverão em cidades.

Embora as cidades cubram apenas 3% da superfície da Terra, elas abrigam mais da metade de sua população e produzem cerca de três quartos das emissões globais de carbono.

Por mais que estes números possam parecer terríveis, dadas as duras implicações das mudanças climáticas, também há um lado positivo: devido ao seu tamanho e influência, qualquer medida verde nas cidades pode ter um impacto enorme e inspirar outras pessoas a seguir o curso.

Abaixo listamos cinco cidades em cinco continentes diferentes que já implementaram algumas medidas, determinadas pelas suas necessidades e recursos únicos.

Basileia, Suíça: Onde os Telhados Verdes são Obrigatórios

Na Basileia, desde 2002, todo edifício novo e reformado deve ter um telhado verde, o que traz inúmeros benefícios para a vida urbana. Além de reduzir as contas de energia, os riscos de inundações e os níveis de ruído, eles também podem armazenar água da chuva para uso diário, melhorando a biodiversidade local e a qualidade do ar.

Embora os telhados verdes estejam dominando o mundo e se tornando uma visão mais onipresente em muitas outras cidades, Basileia foi a primeira cidade na história a tornar os espaços verdes uma exigência legal em edifícios, inspirando outras cidades europeias a fazerem o mesmo.

Medellín, Colômbia: Onde os Corredores Verdes Melhoram a Qualidade do Ar

Após décadas de progresso e desenvolvimento, Medellín, uma vez conhecida como uma das cidades mais perigosas do mundo, agora luta para ganhar um tipo diferente de reputação: uma cidade ecologicamente correta.

Em 2016, a cidade iniciou seu projeto de “corredores verdes”, uma rede interconectada de vegetação em toda a cidade que já reduziu a temperatura de Medellín em 2°C e reduziu significativamente os níveis de poluição do ar.

O projeto contratou 75 moradores de meios desfavorecidos para combater ainda mais a pobreza e os problemas de crescimento sustentável na cidade.

Vientiane, Laos: Usando a Natureza para Evitar as Inundações

O Laos está entre os países mais vulneráveis aos riscos de inundações e secas. Com o apoio do Green Climate Fund, a nação do Sudeste Asiático está agora explorando formas naturais de mitigar esses riscos.

Um novo projeto de cinco anos na capital Vientiane, e três outras cidades do Laos, está restaurando áreas úmidas urbanas e ecossistemas de córregos para regular o fluxo de água e reduzir o risco de inundações.

Essa mudança de infraestrutura rígida para soluções baseadas na natureza é econômica e espera-se que beneficie cerca de dez por cento dos 7,2 milhões de habitantes do país.

Washington DC, EUA: Alimentação Sustentável para Todos

Washington DC, que já é uma das cidades mais sustentáveis da América do Norte, agora tem uma iniciativa, a RiverSmart, para ganhar ainda mais estrelas verdes.

O programa RiverSmart oferece incentivos financeiros aos proprietários locais para adotar a infraestrutura verde, incluindo telhados verdes, jardins de chuva ou barris e muito mais, ajudando o solo a absorver a água da chuva.

Essa iniciativa capacita organizações sem fins lucrativos, empresas como hotéis e restaurantes, escolas ou moradores individuais a administrar fazendas e jardins comunitários. Dessa forma, um número crescente de residentes de Washington DC agora tem acesso a alimentos frescos, de origem local e saudáveis.

Melbourne, Austrália: Combatendo o Efeito do Calor

A cidade australiana de Melbourne está entre as muitas que sofrem com o “Efeito Ilha de Calor Urbano”, que ocorre quando densas concentrações do ambiente construído que podem reter calor substituem a cobertura natural da terra.

Para combatê-lo, a cidade está criando cinco novos parques regionais e quatro novas reservas de conservação em sua área metropolitana, mais do que triplicando o número de áreas verdes.

Esses novos projetos visam não apenas resfriar a cidade, mas também aumentar a qualidade de vida de seus moradores..

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *