Em 2022 aconteceram alguns projetos cruciais na história da arquitetura: a pressão por práticas de construção ecologicamente responsáveis continuou dominando a indústria. Este ano, o Prêmio Pritzker, apelidado de “Prêmio Nobel da Arquitetura”, foi pela primeira vez para Francis Kéré, um cidadão africano. Novos projetos empolgantes, muitos dos quais estão em desenvolvimento há anos, continuaram surgindo em todos os cantos do mundo.

Encerrando 2022, selecionamos seis projetos arquitetônicos notáveis de seis continentes diferentes, cada um capturando claramente o movimento em direção à sustentabilidade e a inovação.

1. Museu do Futuro – Dubai, Emirados Árabes

Já citado pela National Geographic como um dos museus mais bonitos do mundo, o Museu do Futuro em Dubai abriu suas portas aos visitantes em fevereiro de 2022.

O prédio de sete andares, sem pilares e em forma de elipse se assemelha a um bambolê em ação rápida. Sua fachada de aço inoxidável é iluminada com palavras de esperança inscritas em árabe, traduzindo como: “O futuro pertence àqueles que podem imaginá-lo, projetá-lo e executá-lo. Não é algo que você espera, mas sim cria.”

Sem surpresa, a coleção foca em Big Data, robótica e inteligência artificial com laboratórios de inovação dedicados a áreas como saúde, educação, cidades inteligentes e energia.

2. Fábrica S.Pellegrino — Bérgamo, Itália

A partir de 2022, S.Pellegrino, a icônica empresa de bebidas espumantes do norte da Itália, tem uma nova casa perto de Bérgamo para combinar com sua herança histórica e cultural, bem como sua reputação global.

Construída pelo escritório de arquitetura BIG, esta nova fábrica emblemática está situada entre os Alpes italianos, onde as bebidas são engarrafadas.

O design integra a estética natural das paisagens circundantes no vidro elegante e nas curvas inspiradas nas formas das garrafas S.Pellegrino.

3. Sydney Modern – Sydney, Austrália

Desde que abriu suas portas em dezembro de 2022, Sydney Modern — uma parte da Art Gallery of New South Wales — conecta arte, comunidade e vistas deslumbrantes da histórica Baía Woolloomooloo de Sydney Harbour.

O escritório de arquitetura japonês SANAA está trabalhando nesta galeria, que é composta por um conjunto de pavilhões retilíneos e interligados em torno de um átrio com paredes de vidro no centro.

Para simbolizar ainda mais as transformações na psique australiana, Sydney Modern foi projetado para contrastar com as galerias neoclássicas próximas a ela, que foram instruídas a serem “o mais estritamente clássicas possível” durante o século XIX sob o domínio colonial.

4. Rosewood Tower – São Paulo, Brasil

Jean Nouvel, o arquiteto que construiu o Rosewood Tower, um prédio residencial de 93 metros de altura em São Paulo, diz que viver em altura não significa abandonar locais que moldaram culturas e histórias. Ao contrário, Nouvel acredita que as árvores e os arbustos que tomam conta das cidades são fundamentais para o progresso urbano.

Assemelhando-se a uma árvore com raízes fortes, Rosewood Tower é um jardim vertical projetado como uma homenagem à Mata Atlântica que margeia grande parte da costa brasileira. Aclamado como um oásis no coração agitado de São Paulo, o edifício exemplifica possibilidades no que seu arquiteto descreve como “urbanização calma”.

5. Norrsken Kigali House — Kigali, Ruanda

Ruanda tem sido um garoto-propaganda do progresso, desenvolvimento e inovação africano. Graças à Norrsken Kigali House, um espaço de trabalho empresarial projetado pela MASS e atualmente o maior centro de coworking da África, Ruanda pode estar prestes a reforçar sua imagem como o país africano mais favorável aos negócios.

Norrsken Kigali House é sensível ao clima e inclui uma gama diversificada de espaços de trabalho colaborativos e individuais, além de áreas externas ajardinadas e semipúblicas. Foi convertido de um antigo campus de escola internacional, que era um dos prédios mais antigos no Central Business District de Kigali, e enfrentava o risco de demolição em favor de arranha-céus comerciais. Assim, o hub está entre os primeiros exemplos de reutilização adaptativa.

6. Arkansas Museum of Fine Arts – Little Rock, EUA

Inaugurado na década de 1930, o Arkansas Museum of Fine Arts cresceu gradualmente ao longo das décadas, mas com cada edifício adicionado, tornou-se um complexo de arte sem integridade arquitetônica. Assim, o Studio Gang reformulou o museu em um centro de arte holístico e conectado, permitindo que o museu aceitasse visitantes novamente em Abril de 2022.

A inspiração para o museu veio da diversidade topográfica do estado de Arkansas. Entre as características mais exclusivas do museu está o telhado de concreto dobrado, que flui para o norte e para o sul como um rio curvo. Sob este teto, há um acervo permanente de 14.000 peças, além de apresentações ao vivo, exposições temporárias e cursos de arte.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *