Com o avanço da tecnologia o aprendizado remoto virou uma realidade para muitas pessoas, porém com a pandemia do COVID-19 esta modalidade de ensino tornou-se inevitável para milhões de estudantes de todas as idades em todo o mundo. Dependendo dos regulamentos de saúde pública, algumas instituições de ensino foram reabertas, outras experimentaram modelos híbridos e uma parte aderiu a um aprendizado totalmente remoto.

No entanto, os especialistas em educação acreditam que não há substituto para o aprendizado em um ambiente escolar de sala de aula. Eles são imperativos não apenas para o engajamento, mas também apoiam o bem-estar físico, social e mental dos alunos.

Embora as salas virtuais sejam uma alternativa melhor do que a interrupção total da educação formal, principalmente os alunos mais jovens lutam contra ela. Por outro lado, os mais velhos, como estudantes universitários, lidam melhor com alguns aspectos da aprendizagem remota. Mas eles ainda enfrentam desafios emocionais e perdem as oportunidades do campus.

Como o COVID-19 moldará o futuro das instituições de ensino quando estas reabrirem permanentemente?

Ajustes de curto a médio prazo

As precauções para evitar a propagação do COVID-19 em instituições de ensino têm sido diferentes em cada país. No entanto, além de optar pelo ensino à distância, esses cuidados normalmente incluíam rituais de lavagem das mãos e higienização, uso de máscaras e distanciamento físico nas salas de aula, além de melhorar a circulação de ar e a higiene geral nas escolas.

Muitas instituições de ensino já vêm experimentando uma reestruturação. A criação de tráfego de mão única nos corredores, o uso de barreiras físicas para separar as multidões e a instalação de sistemas de entrada sem toque ajudam as escolas e universidades a minimizarem o contato.

As portas estão entre os itens de maior contato, no entanto, é possível manuseá-las sem as mãos, usando sistemas de entrada esterilizados, como portas automáticas deslizantes ou batentes. Embora nenhuma tecnologia possa substituir a higiene pessoal, o mínimo contato ajuda a controlar a propagação do vírus.

Outra parte crucial da redução dos riscos à saúde é a melhoria da qualidade do ar. Como a ventilação do ar pode prevenir a propagação do vírus, alguns países como o Reino Unido e a Alemanha, onde as escolas reabriram, estão impondo uma política de janelas abertas, independentemente do clima.

Outras soluções inovadoras para conter a propagação viral têm surgid. Na Alemanha, Frank Helleis, físico do Instituto Max Planck de Química, inventou um sistema de coifa que pode purificar o ar em 10 segundos e ser instalado individualmente acima de cada mesa.

Nos Estados Unidos, algumas escolas instalaram barracas do lado de fora para dar continuidade às aulas ao ar livre. Da mesma forma, em países africanos com clima mais ameno, muitas escolas também poderiam realizar atividades ao ar livre, além de utilizar ferramentas como rádio WhatsApp.

Uma nova arquitetura para a educação

Apesar dos múltiplos desafios que apresenta, não há dúvida de que o COVID-19 forçou educadores, alunos e políticos a repensarem o que funciona e inovarem na arquitetura das instituições de ensino. Mesmo que uma educação totalmente remota não produza os resultados do aprendizado presencial, no longo prazo, as inovações e uma maior familiarização com novas ferramentas só podem trazer bons resultados.

“A crise revelou o enorme potencial de inovação latente em muitos sistemas educacionais”, afirma um relatório recente da OCDE.

Um número esmagador de especialistas em educação e acadêmicos também estão considerando a COVID-19 como uma oportunidade para uma reforma radical nos sistemas escolares e educacionais.

Embora seja difícil saber exatamente como essas mudanças se manifestarão em diferentes países e comunidades, escreve Douglas N. Harris, autor de Charter School City, as comunidades provavelmente se acostumarão com opções e flexibilidade.

Por exemplo, a ascensão da educação em ambientes externos pode dar início a um movimento maior em direção à aprendizagem focada ao ar livre, em contato com a natureza. Pesquisas mostram seus benefícios substanciais, incluindo aprendizagem mais rápida e engajada em todas as disciplinas, menor absenteísmo, melhores habilidades de liderança e saúde. Alguns até consideram uma estratégia de mitigação das mudanças climáticas.

Transformando crise em oportunidade

Com as medidas e etapas corretas, muitos especialistas concordam que o COVID-19 pode ajudar escolas, universidades e outras instituições educacionais a preencher as lacunas na arquitetura dos ambientes.

Mesmo além da pandemia, um ambiente higiênico com circulação de ar e com acesso sem toque, e outras inovações, estão posicionados para tornar o aprendizado melhor para todos.

Não importa como essas inovações funcionem, as escolas não vão a lugar nenhum e continuarão sendo centros comunitários importantes em todo o mundo. Mas os alunos se beneficiarão de uma abordagem de aprendizagem mais flexível, híbrida e prática, em prédios escolares mais otimizados que podem apoiar o bem-estar físico e mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *