A partir dos anos 50, uma casa com um pátio verde e uma cerca branca tem sido o símbolo máximo de aspiração e qualidade de vida. Embora este quadro seja mais comumente conhecido como o “Sonho Americano”, durante décadas, ele ressoou bem globalmente. 

Sete décadas depois, após os contínuos desafios ambientais, ciclos de crises econômicas e mudanças demográficas substanciais, milhões de pessoas reduziram seu apetite por grandes casas. Na verdade, um terço dos proprietários de casas está pensando em vender suas casas para reduzir seu tamanho. 

O que é Micro Residência?

Adotando uma abordagem mais séria e estruturada de downsizing, a “micro-residência” é agora uma tendência dominante no design e no setor imobiliário. Oficialmente, este termo se refere a casas que têm até 35 metros quadrados. No entanto, não se trata apenas do tamanho: Uma micro-casa normalmente vem com certas características e mobiliário inteligentes e está localizada em um centro urbano. 

De acordo com a Federação Britânica de Propriedade, existem três tipos de micro-residências: Moradia compacta em casas menores autônomas; co-vida em empreendimentos construídos e administrados propositadamente; e vida compartilhada em casas convertidas ou sub-divididas. 

Quais são os benefícios da micro residência? 

Graças às inovações em arquitetura e design, a vida em pequenos espaços não precisa mais significar uma existência apertada e desordenada. A micro residência pode agregar valor às nossas cidades das seguintes formas. 

1. Viver a um preço acessível

Nosso mundo está passando atualmente por uma crise habitacional. Na maioria dos países, o custo da moradia aumentou mais do que os níveis de renda das pessoas, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Até 2025, 1,6 bilhões de pessoas podem ser afetadas por esta crise habitacional.

A micro residência requer menos recursos para construir, administrar, mobiliar e manter. Menos espaço significa menos posses, menos manutenção e despesas consideravelmente reduzidas. Portanto, as micro unidades poderiam ser uma parte crucial da solução para a crise mundial da habitação acessível e ajudar milhões de pessoas a ter acesso a casas funcionais e confortáveis. 

2. O cuidado com nosso planeta

Os edifícios são responsáveis por quase 40% de todas as emissões de gases de efeito estufa. De acordo com a pesquisa do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a redução do piso per capita de uma casa em apenas 20% poderia reduzir as emissões da construção em até 60%. 

Além disso, a vida suburbana cria uma forte dependência do automóvel, além do desmatamento e da destruição de habitats selvagens. 

Assim, a micro residência tem o potencial não só de reduzir drasticamente o impacto ambiental, mas também de preservar as florestas e a vida selvagem da expansão urbana. 

3. Reacender as economias locais

O aumento do acesso a moradias populares estimula a atividade econômica e o crescimento. 

A micro residência não equivale de forma alguma a um estilo de vida desprovido de alegria ou de socialização. Os moradores de micropartamentos em centros urbanos densos podem aproveitar todas as oportunidades profissionais, comerciais, educacionais e culturais que uma cidade oferece. 

Quando as pessoas não têm que gastar a soma mais significativa de seus ganhos em aluguel ou hipoteca, elas desfrutam de uma renda disponível mais alta. Isto lhes permitiria gastar mais localmente e estimular o comportamento empreendedor também. 

4. Acomodando mudanças culturais

Embora ainda haja uma oferta excessiva de casas para famílias grandes e apartamentos de luxo, nossas sociedades têm passado por uma grande transição demográfica. As unidades familiares estão ficando menores, e há um número crescente de residências unifamiliares. Por exemplo, na Alemanha, em 2040, uma em cada quatro pessoas estará vivendo sozinha, e muitas outras economias avançadas seguem um padrão semelhante. Assim, a micro residência pode atender às necessidades demográficas atuais de forma muito mais eficiente. 

Uma grande mudança cultural também vai de mãos dadas com esta transformação demográfica: Um número crescente de pessoas é capaz de trabalhar remotamente, sem a necessidade de chamar um único lugar de lar permanente. Estes chamados nômades digitais têm necessidades diferentes dos turistas ou viajantes de negócios, fazendo das micro unidades a acomodação ideal a médio prazo. 

5. Solução para os desabrigados

A moradia é um direito humano fundamental. Entretanto, em paralelo à crise da habitação, os sem-teto têm crescido a um ritmo alarmante em todo o mundo. Estima-se que cerca de 2% da população mundial esteja desabrigada. Entretanto, com o avanço das tecnologias de projeto e construção, as micro moradias têm o potencial de aliviar os problemas globais dos desabrigados. 

Em algumas cidades onde o problema dos sem-teto é palpável, como São Francisco ou Londres, os governos locais e instituições de caridade já estão experimentando soluções de micro viver e produzindo bons resultados. 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *